Figurinos e Adereços

"Na generalidade das Brincas, assiste-se a um verdadeiro ecletismo no uso de figurinos e adereços que, em certa medida, ignoram completamente a tradicional unidade de espaço e tempo. Nos figurinos, encontramos o Figurino tradicional, o figurino adaptado à personagem do Fundamento e os Figurinos dos Faz-Tudo.
(…)
O aluguer de fatos era uma prática comum, até porque não dispunham de um guarda-roupa que lhes permitisse fazer face à uniformização pretendida. O fato seria o do casamento o que, dada a faixa etária relativamente jovem que tradicionalmente compunha os grupos de Brincas, para muitos ainda não teria acontecido: 'Para os fatos íamos ali à Rua de Machede, havia lá uma loja onde íamos alugar os fatos. Agora não, agora já se fazem os fatos (…) mas antigamente não, a gente alugava sempre os fatos.
Havia uma pessoa, que agora até já deve ter falecido, também na Rua dos Mercadores, que também alugava. Tanto para o Mestre como para as outras personagens' 'ILMB'. Na sequência da realização dos Carnavais de Évora, foi muitas vezes o CENDREV quem emprestou apontamentos do seu guarda-roupa aos performers das Brincas.
Atualmente, assiste-se a uma maior facilidade de aquisição das roupas e adereços, devido a uma significativa melhoria das condições socioeconómicas.
Os fatos tradicionais usados nas Brincas têm por base um casaco, calça e chapéu escuros e camisa branca. No entanto, o que lhes transmite as características de "figurino tradicional de Brincas" é a colocação de fitas e flores e o enfeite dos chapéus.
(…)
A confeção doméstica é um aspecto importante no envolvimento de todos os que participam na performance. As redes familiares e de vizinhança facilmente se ativavam nesta ocasião até porque não põe em causa o segredo do tema/fundamento. As flores, maioritariamente continuam a ser feitas de papel, na linha de uma tradição presente ainda no Alentejo" (Bezelga, 2012: 340-345).

"Relativamente aos adereços podemos considerar três tipos:
(...)Os adereços que têm uma carga simbólica específica no Grupo, como, por exemplo, o ponteiro e o apito do Mestre, o Mastro com a bandeira ou estandarte do Grupo (decorados com fitas) e ainda o "apoio" dos Faz-tudo; (...)os adereços de cena: os volumosos suportes cenográficos ou os poucos e pequenos objetos que estão diretamente relacionados com o enredo dramático;(...) os mil e um objetos dos Faz-Tudo que, dentro de várias malas, vão sendo acumulados no decorrer das várias apresentações da performance e que invadem toda a roda em momentos ritualizados do jogo dos Faz-Tudo." (id. ibidem: 346)